Histórias de Chico  

A seguir, algumas histórias que Chico Xavier gostava de compartilhar com os amigos. Histórias que me ajudaram, ao longo da vida, e que talvez possam nos ajudar nestes tempos estranhos de isolamento e de conexão.

Isso também passa 

Deprimido, após sucessivas denúncias de fraude, Chico decidiu pedir socorro a Emmanuel (seu guia espiritual). E pediu alto: uma orientação da própria Maria de Nazaré.
Os dias se passaram e Emmanuel voltou com a encomenda. Uma frase só, atribuída à mãe de Jesus;
- Isso também passa.
Chico agradeceu a bênção, anotou a frase num papel e a colocou na mesa de cabeceira ao lado de sua cama em Pedro Leopoldo. Todas as noites e manhãs, ele lia e relia a frase durante as orações.
- Isso também passa.
Tempos depois, já livre das tormentas do passado e entusiasmado com o reconhecimento dos amigos e admiradores, Chico recebeu nova visita de Emmanuel.
- Lembra da frase na cabeceira da cama? Pois volte lá e leia de novo. A frase vale para os momentos de tristeza e de felicidade.

Você foi só pra Cruzeiro  

Quando começou a ganhar projeção nacional, já nos anos 1940, Chico Xavier foi procurado por um dos repórteres mais implacáveis da época, David Nasser, da revista O Cruzeiro, publicação que chegava a vender mais de 1 milhão de exemplares por edição.
O repórter desembarcou em Pedro Leopoldo, acompanhado pelo fotógrafo Jean Manzon, decidido a desmascarar a “fraude mineira”, o matuto que imitava o estilo de poetas mortos como Olavo Bilac e Augusto dos Anjos e de jornalistas célebres como Humberto de Campos, morto pouco tempo antes.
Cansado de ser alvo da desconfiança e da curiosidade dos repórteres, Chico tentou escapar da entrevista a todo custo, mas foi vencido por um artifício usado por Nasser. O repórter enrolou a língua, começou a falar num francês arrastado e, com a ajuda de seu partner estrangeiro, Jean Manzon, convenceu Chico de que eles tinham vindo de muito longe, de Paris, só para entrevistá-lo. Não poderiam voltar de mãos abanando...
Chico decidiu dar a primeira entrevista internacional de sua vida e foi além. Reclamou do assédio da imprensa e dos visitantes e posou para fotos nas situações mais extravagantes. Até dentro de uma banheira ele apareceu em fotos de página inteira na revista O Cruzeiro.
Quando a edição chegou às suas mãos, Chico desabou. No meio da crise de choro, viu seu guia, Emmanuel, surgir no quarto:
- Por que você tá chorando?
- Por quê? É muita humilhação, uma vergonha, um vexame.
Emmanuel encerrou a choradeira com um trocadilho.
- Jesus foi pra cruz, Chico. Você foi só pra “Cruzeiro”. .

Morra com educação  

Principal divulgador da sobrevivência do espírito e da vida depois da morte no Brasil, Chico tinha medo de avião e adorava contar para os amigos os bastidores de uma de suas viagens aéreas, de Uberaba a Belo Horizonte, no longínquo ano de 1958.
No meio da viagem, o tempo fechou e o avião começou a trepidar violentamente. O comandante saiu da cabine e explicou para os passageiros: era um vento de cauda e logo iria passar. Em breve, ele afirmou, todos chegariam ao destino sãos e salvos.
Alguém completou irritado:
- Só se for ao outro mundo.
O avião sacudia, virava de um lado pro outro, parecia prestes a despencar.
Crianças começaram a berrar, passageiros vomitavam, um padre iniciou uma oração em voz alta e Chico se uniu ao coro dos desesperados.
- Valei-me, meu Deus. Socorro, misericórdia. Tende piedade de nós.
Quando o padre reconheceu o líder espírita, a poucas poltronas de distância, interrompeu as preces e anunciou:
- O Chico Xavier está aqui conosco. Ele é médium e está rezando com a gente.
Chico gritou do outro lado:
- Graças a Deus, padre, eu também estou orando. Valei-me, meu Deus.
Quando a situação já estava fora de controle há quase dez minutos, Chico viu Emmanuel entrar no avião e se aproximar. Queria saber o motivo de tanta gritaria. Chico tinha uma dúvida mais urgente:
- Nós estamos em perigo?
O guia foi seco.
- Estão. E daí? Não tem muita gente em perigo no mundo? Vocês não são privilegiados.
Chico nem pensou duas vezes:
- Está bem. Se estamos em perigo, vou gritar. Valei-me, socorro, meu Deus.
O desespero de Chico levou os passageiros ao pânico. Se Chico – que tinha contato direto com o outro mundo – estava tão desesperado, não havia dúvidas: o avião ia cair. Estavam todos mortos.
Emmanuel perdeu a paciência:
- Chico, cale a boca para não afligir a cabeça dos outros. Morra com fé em Deus, morra com educação.
Quando Emmanuel virou as costas, Chico ainda resmungava.
- Quero saber como alguém pode morrer com educação.
E continuou a gritar.

Eu ia me matar

O calor era insuportável dentro da caixa de ferro. Uma sala de metal, quase tão sufocante quanto um contêiner, foi o espaço reservado para minha palestra numa feira de livros em Brasília.
Na plateia, cerca de 20 pessoas. Lotação esgotada. Quando comecei a falar sobre o livro “As vidas de Chico Xavier”, o microfone (que parecia totalmente desnecessário) falhou e o som de um show de pagode, promovido num palco ao lado, invadiu o recinto no volume máximo.
Precisei berrar quarenta minutos seguidos para ser ouvido. Por que um jornalista cético como eu decidiu escrever a biografia de Chico Xavier? Como foram meus primeiros contatos com o médium mineiro? O que mais me impressionou durante as investigações? Eu mudei?
Gritei meu depoimento até ficar rouco, um tanto arrependido por ter aceitado o convite para o evento.
No final do falatório, uma jovem, acompanhada por uma amiga, se aproximou.
- Vim lá de Taguatinga (cidade-satélite de Brasília) só para dizer o seguinte: “Eu ia me matar, li a biografia do Chico e desisti. Estou aqui para agradecer”.
Foi um choque. Nem me lembro direito da minha reação.
Demorei algum tempo para entender que não foi meu livro que salvou a vida da leitora. Foi a vida de Chico Xavier, a trajetória impressionante construída por ele.
E que trajetória é essa? É a história, ou saga, de um homem simples, pobre, mulato, filho de pais analfabetos, nascido no interior de Minas, que, primeiro, torna-se um escândalo nacional ao passar para o papel, de olhos fechados, mensagens assinadas por mortos ilustres ou anônimos e que, com o tempo, depois de muita perseguição, humilhação, desconfiança, transforma-se num ídolo popular.
Chico nunca desistiu. Foi em frente, apesar de tudo.
A leitora encontrou nessa trajetória um sentido para a própria vida.
(História contada no livro ‘As lições de Chico Xavier”) .

Aniversário de morte

Há 18 anos, no dia 30 de junho de 2002, morria em Uberaba o médium mineiro Chico Xavier. Quando me perguntam que lições mais me marcaram na convivência com ele – tema da minha biografia “As vidas de Chico Xavier” - costumo me lembrar de uma de suas frases, ditas ao defender sua opção de doar toda a renda dos direitos autorais de seus mais de 400 livros a instituições beneficentes e de viver com o máximo de simplicidade possível.

“Graças a Deus aprendi a viver apenas com o necessário.”

O que é realmente necessário nesta vida? Até que ponto não desperdiçamos tempo e energia com falsas necessidades? Perguntas que me faço às vezes, no atropelo do dia-a-dia.

Uma história de Chico

Nestes tempos extremos, em que governantes têm defendido o projeto de ARMAR a população, tenho repetido em algumas lives a receita defendida por Chico Xavier neste vídeo e também na vida:
Ver no youtube
Em vez de ARMAR, AMAR. Esta é nossa legítima defesa. Não tem “erre” no meio desta palavra. "

Carimbo não tem alma

No auge da popularidade, Chico Xavier atraía multidões nas tardes e noites de lançamento de seus livros. As filas de leitores – caravanas que reuniam famílias vindas de todo o país – davam voltas no quarteirão e lá ia Chico, cumprimentando um por um, enquanto autografava exemplar por exemplar. O tempo passou, a idade pesou e os amigos mais próximos de Chico o convenceram a substituir a caneta por um carimbo, com sua assinatura, nas sessões de autógrafo. Chico conseguiu carimbar uns 3 exemplares e, a partir do quarto, sacou a caneta do paletó e passou a escrever algumas palavras, com sua letra miúda, ao lado do selo. “Desculpem este carimbo. Desejo a você toda a paz...” . E as dedicatórias foram se alongando cada vez mais. Aos amigos inconformados com a aposentadoria precoce do instrumento, Chico sacramentou: “Carimbo não tem alma.” Ninguém discordou.

Água da paz

Esta é uma das histórias que Chico costumava contar aos visitantes do Grupo Espírita da Prece, em Uberaba. Ainda menino, logo depois de perder a mãe, ele sentiu-se mais sozinho do que nunca, incompreendido por todos à sua volta e atormentado pela madrinha, com quem foi morar. De vez em quando, Chico se refugiava no quintal para encontros secretos com a visitante que só ele via e ouvia: o espírito da mãe. Nestas conversas, eram muitos os desabafos e queixas. Anos mais tarde, a mãe reapareceu com uma receita para o filho já adolescente e ainda inconformado com as perseguições que sofria:
“- Água da paz. Ela vai te ajudar.”
Chico procurou nas farmácias de Pedro Leopoldo e nada. Pediu ajuda aos tios de Belo Horizonte e nada também. Quando a mãe voltou ao quintal, Chico pediu socorro:
“- Procurei em todo o canto e não encontrei a tal água da paz.”
Só então a busca terminou:
“- Pode ser água da bica mesmo, meu filho. Você põe na boca e só engole ou joga fora quando a vontade de reclamar tiver passado.” Esta é uma das histórias que me ajudam de vez em quando. Em reuniões marcadas por tensão ou em conversas desgastantes em família, tento imaginar a “água da paz” na boca. Este exercício já me salvou de muitos desabafos ou explosões inúteis. Nem sempre dá certo, mas vale tentar...ainda mais nestes tempos de tanta tensão.

Frases de Chico

Semana passada, durante minhas pesquisas para uma live sobre “Amor e Perdão”, reencontrei, nos meus cadernos de anotação, três frases fortes ditas – e postas em prática - por Chico ao longo da vida:
“Fico triste quando alguém me ofende, mas ficaria muito mais triste se fosse eu o ofensor.”
“Aos outros, dou o direito de ser como são. A mim dou o dever de ser cada dia melhor.”
“Lembra-te de que, falando ou silenciando, sempre é possível fazer algum bem.”
Frases para pensar e para tentar por em prática. Nem sempre dá, eu sei...

Pinga Fogo

Em 1971, Chico Xavier aceitou o convite do querido jornalista Saulo Gomes para participar do programa “Pinga-Fogo”, exibido na TV Tupi. Eram 11h30 da noite quando Chico tomou seu lugar à frente das câmeras e passou a ser sabatinado por Saulo e alguns dos jornalistas mais importantes da época.
Durante a entrevista, Chico mencionou, várias vezes, a presença e apoio do guia espiritual Emmanuel – que “assopraria” respostas em seu ouvido – e a atração, que se encerrou em plena madrugada, bateu todos os recordes de audiência.
A história de Chico – e também a projeção do Espiritismo no Brasil – mudaram naquela noite. Pontuada por declarações sobre reencarnação, homossexualidade e vida em outros planetas, a transmissão teve tanto impacto que gerou uma edição extra do jornal “Diário de S. Paulo”, de circulação nacional, com nove páginas inteiras impressas com a transcrição da entrevista.
Antes de se despedir do público, Chico fechou os olhos e pôs no papel, em quatro minutos, um soneto intitulado Segundo Milênio, lido por ele, em seguida, diante da plateia silenciosa. Na primeira estrofe, estes versos:
Apaga-se o milênio. A sombra deblatera.
Vejo a noite avançar, do anseio em que me agito.
Guerra e sonho de paz estadeiam conflito.
De pólo a pólo, a dor reclama em longa espera.
Ao fim da leitura, a assinatura: Cyro Costa, poeta paulista morto 34 anos antes.
A íntegra e os bastidores desta entrevista e de uma segunda edição do “Pinga-Fogo’ transmitida em dezembro estão impressos em “Pinga-Fogo com Chico Xavier”, belo livro editado pela InterVidas e organizado por Saulo Gomes, que nos deixou em 23 de outubro do ano passado.
No nosso último encontro, em Brasília, fiquei impressionado com a energia do Saulo, tão jovem aos 91 anos. Entusiasmo pelo trabalho sempre foi uma de suas marcas. Generosidade também. Não por acaso Chico sempre confiou nele, até o fim.

Viva ou morta?

De vez em quando algum amigo me chama num canto e pergunta: “Cá entre nós, Chico via e ouvia mesmo espíritos? Isto não era coisa da imaginação dele?” E aí eu conto uma cena testemunhada no Grupo Espírita da Prece, em Uberaba. Chico estava à mesa, bem idoso, e viu uma senhora, mais idosa ainda, se aproximar. Com a voz bem suave, certificou-se, com todo o cuidado, cheio de cerimônias: “Desculpe perguntar, mas a senhora está viva ou está morta?” E ela, toda sorridente: “Viva, Chico!” E ele: “Graças a Deus.“
Em 1996, já aos 86 anos, pendurou na porta do quarto um bilhete endereçado aos espíritos. Com letra miúda e trêmula , ele pedia desculpas aos “amigos espirituais” por um incômodo: teria de dormir em outro aposento, naquela noite, por causa de uma obra na caixa d’água ali em cima, mas, se tudo desse certo, já estaria de volta no dia seguinte. “Jesus nos abençoe como sempre. Muito grato. Chico Xavier”, despediu-se, com a cordialidade habitual.

As palavras

Uma das marcas registradas de Chico era o cuidado que ele tinha com a escolha de cada palavra. No mundo dele, não havia prostitutas, mas “irmãs vinculadas ao comércio das forças sexuais”. Presidiários eram “educandos”; empregados, “auxiliares”; pobres, os “mais necessitados” e adversários, “os nossos amigos estimulantes”.
Cada palavra – Chico dizia – carrega uma energia. E estas energias podem ser poderosas. Pelo bem ou pelo mal.
Atormentado por sucessivas crises de angina e pneumonia, ele se referia às próprias doenças como “enfermeiras”, capazes de gerar ou acelerar a evolução no incessante processo de “nascer, morrer, renascer ainda e progredir sem cessar”.
Não sei se foi por influência de Chico, mas eliminei do meu vocabulário, há décadas, palavras como o antônimo de sorte e o contrário de graça. Chego ao extremo um tanto absurdo – eu sei - de riscar estas palavras dos textos que leio.
E nunca, em hipótese alguma, digo seus nomes...

A ponte com os mortos

Há uma semana, pouco antes de uma live, folheei meu livreto “As lições de Chico Xavier” e me surpreendi com uma história de que havia me esquecido. Um episódio contado a mim por uma amiga da minha mãe e revelado, em detalhes, no livro “Por trás do véu de Ísis”. Compartilho aqui, com vocês, este relato, feito por uma Beth emocionada, com lágrimas nos olhos e voz embargada:
“Em 1973, Beth foi passar uma semana de férias em Uberaba. O dono da casa onde ficou hospedada era muito amigo de Chico e logo a convidou para visitar o vizinho ilustre.
- Eu nunca tinha ouvido falar de Chico Xavier nem tinha a menor ideia do que fosse um médium, mas aceitei o convite. Chico a cumprimentou e, instantes depois, mudou de tom e expressão.
- Boneca, Boneca, não foi isto que eu te ensinei. Por que você foi largar um marido tão bom? Ninguém na cidade sabia, mas Beth, então recém-casada, tinha pedido o desquite, um tabu na época. Ela fazia questão de guardar segredo sobre a separação prematura.
- Quem é o senhor? – a visitante perplexa quis saber.
- Não tá me reconhecendo, Boneca? Sou seu pai, Laudo.
Morto 9 anos antes, o pai costumava chamar a filha de Boneca.
Logo depois do puxão de orelhas, a voz de Chico assumiu um tom mais suave e pausado:
- Betinha, Betinha, que saudade. Não liga pro seu pai não. Ele continua o mesmo velho turrão de sempre.
A filha não teve dúvidas: era a mãe dela, morta em 1968.
Beth entrou na casa de Chico católica e saiu de lá espiritualista, como se define até hoje”.

Os adversários

Durante toda a vida, Chico descreveu, em detalhes, as orientações e “puxões de orelha” recebidos de seu guia espiritual, Emmanuel. A lição número 1, muitos de vocês já conhecem: “Disciplina, disciplina, disciplina”.
Em “As vidas de Chico Xavier”, relembro outros episódios contados a amigos e familiares por Chico.
Um deles aconteceu quando ele, ainda muito jovem, sofria ataques permanentes do padre mineiro Júlio Maria, indignado com os poemas do “Parnaso de Além-Túmulo”, assinados por poetas tão ilustres quanto mortos, como Castro Alves e Olavo Bilac, todos escritos pelo “matuto de Pedro Leopoldo.”
Uma das ironias paroquiais, publicada em jornal local, incomodou Chico: “Francisco Cândido Xavier deve ter couro de rinoceronte para suportar tantos espíritos.”
Ao desabafar com Emmanuel, Chico recebeu de volta a seguinte resposta:
- Se você não tem pele de rinoceronte, precisa ter, porque senão vai sofrer com qualquer alfinetada.
Padre Júlio Maria espetou Chico durante longos 13 anos. Só parou quando morreu. Nesse dia, Chico ouviu uma nova instrução de seu guia:
- Vamos orar pelo irmão Júlio Maria. Com ele sempre tivemos um cooperador maravilhoso. Dava-nos coragem na luta e nos estimulava a trabalhar. A cada ataque dos adversários e dos céticos, Chico ouvia Emmanuel bater na mesma tecla:
- Não te aflijas com os que te atacam. O martelo que ataca o prego com pancadas o faz mais seguro e mais firme.

O homem bom

Chico nunca cobrou conversão de ninguém e sempre deu ao outro a liberdade de ser quem é, de acordo com suas crenças ou descrenças.
O importante para ele não era a adesão a uma corrente religiosa. O que Chico valorizava e estimulava está resumido nesta cena testemunhada pelos visitantes do Grupo Espírita da Prece, em Uberaba.
Ao lado de um marido muito tímido, uma senhora muito extrovertida deu início a uma série de elogios ao companheiro da vida inteira.
- Este homem é maravilhoso, Chico. Bom pai, bom filho, bom marido, bom patrão, bom tudo! Mas ele tem um defeito grave.
- Qual, minha filha?
- Ele não é espírita.
Chico abriu um sorriso e deu mais uma de suas receitas mineiras:
- Se ele é tudo isto, não precisa ser espírita de jeito nenhum. Já tá bom demais. Não mexe não.
Para Chico, o importante, acima de tudo, era ser bom.

Humildade

De vez em quando, uma frase dita por Chico Xavier volta à minha cabeça:
- As sereias estão cantando. Era com esta frase que ele fazia soar o alarme interno contra possíveis armadilhas.
A armadilha da vaidade, por exemplo. O risco de se achar superior ao outro e perder a noção do próprio tamanho ou “pequenez’, ele diria.
Em meio a multidões que o cercavam no Grupo Espírita da Prece, em Uberaba, e das filas que se estendiam em sua direção nas sessões de autógrafo, Chico costumava repetir frases que funcionavam para ele como antídotos ou escudos anti-vaidade.
Chico Xavier, o iluminado?
- Sou apenas uma tomada entre dois mundos.
Chico Xavier, o “Apóstolo de Cristo”:
- Sou Cisco Xavier.
Nos eventos que celebraram o lançamento do seu centésimo livro, Chico não cansava de repetir a cada entrevista ou homenagem: - Este é o livro número cem, mas cem com s.

Até o fim da vida, ele renegaria a autoria de cada obra publicada. - Os livros não me pertencem. Eu não escrevi nada. Eles – os espíritos – escreveram.

E aos que diziam que, mais cedo ou mais tarde, ele cairia, desmascarado como fraude, por exemplo, Chico dizia: - Não vou cair, porque nunca me levantei.

O consolo

O que Chico dizia para consolar as mães e pais em sofrimento, castigados pela Dor Maior, a da perda de um filho?

“Ele está em paz.” (?)
“Confia.” (?)
“Vai passar.” (?)
Não. Nada disto.

Na maioria das vezes, Chico preferia o silêncio, um abraço e o choro compartilhado. Porque palavras, em casos extremos como esses, de despedidas tão precoces quanto súbitas, ajudam pouco. Ou nada.
“A dor destas mães me atravessa o coração”, ele costumava dizer após os atendimentos no Grupo Espírita da Prece.

Às famílias em busca de mensagens dos filhos mortos, Chico repetia: “O telefone só toca de lá pra cá”. Era precisa aguardar.

Nas mensagens escritas a jato por um Chico de olhos fechados, nas sessões públicas de Uberaba, relatos da vida “no mundo de lá” se misturavam a palavras de consolo, muitas delas destinadas a aliviar as famílias do peso de um sentimento comum e cruel: a culpa.

Será que eu não poderia ter evitado? E se eu tivesse seguido minha intuição e pedido para ele (ou ela) não sair de carro naquela noite? E se eu tivesse levado ao médico antes? E se eu tivesse desistido de dar aquela moto de presente?

E se...?

Nos muitos contatos que tive com famílias enlutadas, uma mãe me contou uma frase ouvida de Chico Xavier logo após a morte de seu filho em um acidente de moto:
- Você nunca poderia ter evitado. Ninguém pode. O que acontece aqui já aconteceu lá! - afirmou, enquanto apontava para o alto.
– Aqui é só um reflexo.
Já nos anos 1980, Chico afirmava:
- Um dia o homem vai entender que espírito e energia são a mesma coisa. Neste dia a física quântica e o espiritismo irão se encontrar.